Skip to content

Introdução à Prevenção

fevereiro 7, 2013

Antes de tudo, deve-se ter em mente que a doença de Alzheimer ainda é considerada incurável e sem tratamentos preventivos definitivos. Porém, há estudos científicos que apontam para uma possível relação entre a prática de certas atividades e o número de indivíduos com o mal de Alzheimer e também um atraso na sua manifestação clínica. Existe uma série de testes sendo feitos que tentam procurar formas alternativas de evitar a progressão da doença ou de confirmar os indícios de estudos anteriores; apesar dos resultados serem inconclusivos, há uma convergência de dados que enfocam a estimulação cognitiva como o principal e maior potencial preventivo.

Em estudos que englobam diferentes pacientes da doença, notou-se que aqueles com maior nível de escolaridade tendem a ter um melhor prognóstico do que os outros grupos. Quando em comparação, pessoas alfabetizadas tendem a responder melhor à doença do que analfabetos, por exemplo. As aquisições de conhecimentos criam novas conexões entre os neurônios (sinapses) e aumentam a reserva intelectual, ocasionando fatores que retardam o aparecimento de sinais na demência, mesmo assim o efeito da escolaridade na doença ainda é discutido. Seguindo a lógica é fácil deduzir que aprender novos idiomas, aprender a tocar um instrumento, estudar, jogar puzzles como xadrez e sudoku, ou qualquer outra atividade que requeira esforço intelectual pode ajudar a prevenir o Alzheimer (tente decorar o aniversário dos seus amigos, ao invés de olhar no facebook, por exemplo; e pode ser que você esteja se protegendo da doença!).

Imagem

Além disso, cabe ressaltar que alguns estudos mostram a possível eficácia da ingestão regular de alguns alimentos específicos contra a doença, e esse ramo mostra-se cada vez mais promissor. Afinal, muito constituintes da dieta têm influência na estrutura e função do cérebro. Os resultados mostram, principalmente, que dietas que incluem ácidos graxos insaturados, peixes, vitaminas do complexo B e vitaminas anti-oxidantes estão associadas a um baixo risco da enfermidade.

Há investigação também a respeito de certos princípios ativos de fármacos e a manutenção de um estilo de vida saudável (incluindo manter relações sociais sadias e evitar o stress) que podem vir a reduzir o número de portadores da doença. Não se pode deixar de mencionar o caráter genético da doença (discorrido nos posts de Causas), isto é, a provável exposição frequente a fatores mutagênicos pode também estar relacionada a infiltração da doença. Assim, na prevenção, não basta falar do que se deve fazer mas também do que deve ser evitado, como, por exemplo, o tabagismo.

Escrito por: Rafael Fernandes de Almeida

Bibiliografia:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462010000300006&lng=en&nrm=iso

http://en.wikipedia.org/wiki/Alzheimer

Anúncios

From → Prevenção

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: